Review ASUS Prime H410M-E

Lucas Peperaio
31/03/2021
Review

Deixando de lado as caríssimas e muito bem construídas Z490, já testei 3 delas lá no canal, hoje vamos revisar a primeira placa de entrada para CPUs Intel da décima geração, como um I3 10100 e um I5 10400. Esta é uma das mais básica que a ASUS oferece hoje, Prime H410M-E que provavelmente será a escolha de muitos quando falamos de CPUs de entrada e intermediários.

Resumo da placa

ASUS H410M-E - Placa (Frente)

ASUS H410M-E - Caixa (Frente)

ASUS H410M-E - Caixa (Back)

A ASUS manteve o layout das antigas Primes nesta nova H410M-E, com PCB preto e linhas brancas, em um layout mATX medindo 22.6cm por 20.3cm, uma placa bem pequena que é adequada para a também pequena quantidade de recursos, visando um uso casual. A placa só tem duas conexões para fans ou bombas de WC, CPU_FAN e CHA_FAN, tornando quase que obrigatório o uso de splitters adicionais caso você tenha várias fans no sistema. Ela também não tem nenhuma conexão RGB, seja a 5V ou 12V, então fique atento se tiver componentes que ligam seus leds através das placas, como Watercoolers e fans por exemplo, pois será necessário usar um controlador externo.

ASUS H410M-E - Slot M.2

O slot M.2 é bem-vindo neste tipo de placa básica, mas ele também é limitado. Há o suporte apenas no modo SATA e NVMe PCIe X2 3.0, ou seja, a vazão do SSD fica limitado em torno dos 1500 MB/s, mesmo que o seu SSD atinja mais de 3000 MB/s. A única forma de aproveitar ao máximo SSDs PCI 3.0 de alto desempenho seria usando um adaptador para o Slot PCI Express, mas a placa só tem um Slot PCI acima do X4, que é o primeiro X16, que normalmente será utilizado com uma placa de vídeo. Os outros slots X1 podem ser usados com placa de captura, de rede, áudio e etc.

ASUS H410M-E - Conexões

O painel traseiro também é limitado com apenas 4 USBs, enquanto vemos em outras H410 até 6 USBs. Neste caso, após conectar mouse e teclado, sobram apenas dois USBs livres. A placa tenta compensar isso oferecendo recursos para PCs antigos, que ainda usam periféricos PS/2. Saída VGA faz sentido para este tipo de placa, mas ela também trás uma HDMI mais moderna. Por fim a rede gigabit e áudio com o já datado codec ALC887 de mais de 10 anos atrás, mas que é comum em placas básicas.

ASUS H410M-E - VRM 1

ASUS H410M-E - VRM 2

ASUS H410M-E - VRM 3

ASUS H410M-E - Placa (Back)

Enfim no VRM da placa, não poderíamos esperar algo diferente visto o objetivo da placa. VRM simples, sem dissipador, com poucas fases e mosfets. Ao contrário da H310M-E, a H410M-E traz um conector de 8 pinos, reforçando a entrada de energia. Um indutor suaviza os picos na entrada, que ainda conta com 4 capacitores sólidos (270uF 16V 5K), indutores 68nH e 15 capacitores sólidos na saída (560 6.3V 5K), filtrando primariamente os ruídos de baixa frequência, dado a ausência dos capacitores de polímero para as médias e uma banca de cerâmica para os de alta frequência.

ASUS H410M-E - VRM (Zoom)

E não, apesar da quantidade de indutores, a placa não tem 8 fases reais para o CPU. O PWM ASP1400CTB controla até 6 fases, neste projeto em 3+1. Ou seja, a cada dois mosfets e dois indutores, consideramos uma fase (VRM 3×2+1). A primeira de baixo para cima controla o VCCSA e usa dois mosfets Vishay Sira14DP de até 58A e tol 150 graus. Da segunda até a sétima fase, é para o Vcore, usando o mesmo SIRA14DP de alta e agora um SIRA12DP de baixa, até 25A e tol 150 graus. Obviamente, conforme aumenta a temperatura, esta corrente cai drasticamente, potencializado pela falta de dissipadores. Por fim a última fase com os mesmos Mosfets controla a fase do gráfico integrado.

 

Testes VRM (Temperatura)

ASUS H410M-E - i3 10100 (Blender - flir)

ASUS H410M-E - i3 10100 (PUBG - flir)

Testando o VRM em minha metodologia com temperatura ambiente 32 graus de forma a simular uma carga típica dentro de um gabinete fechado, ao testar o Core I3 10100 em um teste de stress no software Blender por 15 minutos, demo Barbershop, com a carga de 43A usando o cooler box, que proporciona um pequeno airflow na região, VRM em boas temperaturas, 61 graus no ponto mais quente. Em game, PUBG por 15 minutos, 54 graus.

ASUS H410M-E - i5 10400f (Blender - flir)

ASUS H410M-E - i5 10400f (PUBG - flir)

Partindo para o I5 10400F no Blender, com a exigência em 58A, a temperatura subiu alguns graus, nada alarmante. Em game, 4 graus a mais que no teste do I3. Estes são os dois CPUs mais prováveis de serem usados aqui, e o VRM foi muito bem, mas por curiosidade, eu testei o Core I9 10900K, que é dito ser suportado pela placa no site da ASUS.

ASUS H410M-E - i9 10900k (IDLE - flir)

ASUS H410M-E - i9 10900k (Blender - flir)

Sem fazer nada, na área de trabalho o VRM já estava em 58 graus, isso já me avisou o que iria acontecer. Rodando o Blender, 128 graus no VRM no ponto mais quente, o CPU caiu para o clock base de 3.6Ghz, bem distante do boost típico de 4.9Ghz. A corrente estava na casa dos 113A, ponto onde levando em conta as fórmulas das perdas de condução e comutação (FSW 500Khz Vo 1.2V 5,1Ω + 4,3Ω, VGS @10V, 113A), a dissipação de calor estaria na casa dos 17W, muito para um sistema sem dissipação. Se cada fase do Vcore tivesse mais um mosfet de baixa, a dissipação cairia para 13W, mais ameno, devido a divisão de carga e a resistência drain-to-source cair pela metade.

Minha recomendação fica, portanto, com CPUs abaixo do I5 10400F, que fazem mais sentido para uma placa básica.

 

Testes de Memória RAM

ASUS H410M-E - Slot de Memória (Ângulo)
A placa conta com 2 slots de memória DDR4 com suporte a Dual Channel, 64GB até 2933 Mhz, que só é alcançado com o uso do Core I7 ou Core I9. Para Core I3 e Core I5, a frequência máxima da RAM é 2666 Mhz, independente se a sua memória suporta mais do que isso.

 

BIOS

ASUS H410M-E - BIOS (EZ Mode)

ASUS H410M-E - BIOS (Advanced Mode)

Similar as placas ASUS ROG e TUF, a Prime H410 tem duas interfaces UEFI BIOS, a EZ Mode com informações rápidas e ajustes simples como XMP e Boot, enquanto no modo Avançado existem centenas de outros recursos, incluindo os mesmos do painel anterior. Porém por ser uma placa H, não há suporte para overclock, embora seja possível ajustar os limites de energia do turbo para maximizar o clock. Em Ai Tweaker você pode ajustar a RAM e seus timings, sempre limitado ao padrão do controlador de memória do CPU. Subir a RAM acima do padrão faz a máquina não inicializar. Surpreendentemente a placa tem até ajuste de Load Line Calibration e Vcore Fixo. Em avançado as configurações comuns a todas as placas, como os ajustes do PCI Express, além de monitor, boot e exit. Em Tool é possível atualizar a BIOS da placa, e em monitor, regular as fans por exemplo.

 

Conclusão

A H410 é uma placa voltada para uso básico, por isso que em todo o review eu mostrei as suas limitações e os seus pontos positivos, para ajudar na avaliação de quem está montando um novo PC. Para um usuário que precisa apenas do básico, não precisa usar RAM em altas frequências, não quer fazer OC, uma H410 como essa atende bem a demanda em conjunto de CPUs como Core I3 e Core I5. Se você precisa de mais recursos na placa, como slots de RAM, slots M.2, VRM melhor preparado e etc, uma opção é partir para placas B460, que em breve terá review aqui no site e lá no canal.